Catadoras ea ressignificação dos resíduos: fotos etnográficas recibidas de menção honrosa no I Concurso Internacional de Fotografía Etnográfica – UrbanAct

Alejandro Cardoso

As histórias articulam nossas imagética, como processos que acompanham o nosso viver. Aprendi que as imagens nos contam e nos escondem coisas, que as fotos etnográficas são carregadas de outras histórias as quais suscitam nossa memória e fazem com que possamos compreender, como códigos decodificados – que ajudam a desvendar fatos do present e do passado, bem como planejar melhor nosso futuro, melhorando e muito, as nossas vidas. 

Álex Cardoso.

As histórias são carregadas de imágenes e é sobre isso que contarei neste pequeno texto, trazendo os bastidores de como acabei recebendo uma menção honrosa no I Concurso Internacional de Fotografía Etnográfica – UrbanAct, realizado pela Universidade de Coimbra, Portugal. É com muito prazer que compartilho com vocês este pequeño texto, junto com as imágenes vencedoras.

Recebi da colega Cristiane Miglioranza, colega das sociais – assim nos chamamos os estudantes do curso de ciências sociais na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) – uma mensagem pelo WhatsApp contendo as seguintes palavras “¡Achei a tua cara!” El logotipo abaixo, na mesma mensagem, um link com informações sobre o I Concurso Internacional de Fotografia Etnográfica – UrbanAct, publicado en la página do Programa de Pós-graduação em Antropologia Social da UFRGS, o qual eu faço part as estudante de mestrado. 

Eu sou catador de materialis recicláveis ​​desde a infância, estudei na minha juventude apenas até a quinta série do ensino fundamental, voltando a ser estudante depois de vinte anos, algo tão importante e significativo, que acabei escrevendo um livro, intitulado Do Lixo A bixo: A cultura dos estudos eo tripé de sustentação da vida, que aborda principalmente minha infância ea relação/importância dos estudos para a transformação social, num relato categorizado como uma forte etnografia performática, o qual já passa de mil exemplares comercializados.

Para mi, não haveria uma coisa tão importante a ser estudada, quanto as relações sociais e econômicas que invisibilizam minha categoria, e os processos exploratórios e depredatórios que desvalorizam nosso trabalho nos empurrando para a exclusão social e econômica, tão completa porque não aceitamos quietos e nos organizamos en movimiento para trabalhar y lutar pela reciclagem com valorização e reconhecimento do nosso trabalho. 

Voltando a nossa história, abaixo ainda, na mensagem da Cristiane, vinha estas palavras: “prêmio em euro!”, claro que sabendo que eu iria, com toda certeza abrir o conteúdo do link, o qual dizia:

Concurso Internacional de Fotografía Etnográfica “Acto Urbano. Imagens de Ação e Ativismo Ambiental na Cidade” recibió inscrições de trabalhos até 15 de abril de 2022. Serão aceitas submissões de fotografias etnográficas capaces de capturar tensões e desafios ambientais enfrentados pelas cidades no século XXI. As fotografias submetidas devem se enfocar em temas de ação e ativismo ambiental na cidade e devem ser acompanhadas por uma pequena peça reflexiva com menos de 200 palavras, discutiendo o que está a ser ilustrado ou, talvez, escondido nas imagens. (PPGAS, 2022)

E mais abaixo, no texto publicado no site, evidenciava o que estavam solicitando como trabalhos artísticos enquadrados como “fotos etnográficas”: 

"Procuramos ensayos fotográficos que documenten visiones contemporáneas de transformación espacial urbana, sin contexto de formas emergentes de acción y ativismo ambiental. Os ensayos fotográficos pueden enfocarse en temas tan diferentes como grandes climas y otras formas de protesta climática, novos modelos de planeamento urbano y arquitectura que reivindican una cultura de construcción descarbonizada, o mesmo movimentos de base de ocupación y esverdeamento de espaços urbanos”, explica Gonçalo D. Santos, profesor auxiliar de Antropologia Social-Cultural da Universidade de Coimbra. (PPGAS, 2022)

Rapidamente comprendi o que estava sendo solicitando, e isso me levou a uma disciplina, a qual foi lecionada pela Professora do nosso Departamento de Antropologia, Fabiene Gama, disciplina pesquisa qualitativa, onde Fabiene, como especialista em imagens etnográficas, nos mostrava como podiamos perceber várias histórias que se escondiam ou se revelavam nas fotos estudadas, fato que fez com que eu pudesse compreender melhor a força que as images tem e que estas fazem histórias y vice versa. Para concluir esta disciplina, un profesor me solicita un trabajo que pueda contar, o un incentivo o imaginario de lo que puedo hacer, fotos etnográficas, logotipo, me levou a fotografar minhas colegas de trabajo.

Pela familiaridade que tenho, foram rapidas as photos and as poses, sendo de imediata aceitas pelas minhas colegas of profissão, one eu informava that as photos seriam internas, apenas para um trabalho da faculdade, sem jamais imaginar que pudessem ser vistas for outras pessoas além da minha professora e quem dera, serem fotos vencedoras de um concurso internacional. Ganhei nota A por este trabajo.

Assim, retornei a pasta com meus trabalhos, abri este em especifico, informei as gurias sobre este concurso e elas concordaram que eu pudesse encaminhar as photos, rapidamente escrevi o texto com duzentos caracteres, solicitadas pelo concurso, e encaminhei por e-mail o trabalho junto com as fotografias. Foram menos de trinta minutos para fazer todo o processo escrever o texto. No outro dia, recebi a confirmação de recebimento do trabalho, o qual estava em acordo com o concurso. Fiquei feliz.

Encaminhei o trabalho para minha colega Cristiane olhar, ela ficou feliz e respondeu: “ficou ótimo” se referindo a qualidade do trabalho. Passou alguns dias e recebi um e-mail, com text em inglês:

“Después de una larga discusión que reflejó la alta calidad de las presentaciones, el jurado decidió otorgar una mención de honor a su presentación: Alex Cardoso “Catadoras e Ressignificação de Resíduos”. A todos nos impresionó la composición imaginativa de tus fotografías y su capacidad para invitar al espectador a ampliar las nociones existentes de acción ambiental. Esta fue una decisión difícil. La calidad de las presentaciones fue tan impresionante en general que nos sentimos obligados a otorgar una mención de honor a otras tres presentaciones porque todos estuvimos de acuerdo en que todas eran igualmente impresionantes”.

A mensagem informa que meu trabalho havia sido premiado com menção honrosa, informação que me deixou completamente feliz e inmediatamente compartilhei com Cristiane, this logo of imediato, transformou a informação em notícia no site do PPGAS trazendo as informações da boa nova, sobre o catador e colega parte do program of pós-graduação, que acabará de vencer um concurso internacional, recibiendo menção honrosa. 

Encaminhei mensagem ao program solicitando apoio para deslocamento e hospedagem em Lisboa, después de recibir presencialmente essa preciosa recompensa ao trabalho da nossa categoria ea minha articulação between writes e images, com a participação especial das mulheres catadoras da ASCAT. Entretanto tive como respuesta: 

“Parabéns, novamente, pela premiação. No entanto, e infelizmente, não temos como apoiar a ida neste momento, porque a CAPES ainda não liberou o recurso financeiro de 2022, de modo que o PPG está sem dinheiro ainda” fruto ainda do descaso do governo Bolsonaro com a ciência, com a pesquisa e de uma maneira geral com a educação como um todo.

Articulei então, com duas amigas, ambas residentes em Portugal, para que pudessem estar presente nesta importante atividade, Luciana Freitas, uma pessoa importante na minha life, ex-moradora da cidade do Rio de Janeiro, a qual trabalhava comigo na CBF onde fazíamos a gestão dos resíduos nos estádios durante os jogos da seleção brasileira, logo passávamos muitos dias juntos visitando e formando os catadores nas cidades dos jogos, discutiendo com clubes gestores dos estádios, gestores municipais e outros parceiros nestes arranjos que fazíamos e Karina, uma pesquisadora e estudante de doutorado na Universidade de Coimbra, nos conhecemos a mais de 10 anos, estivemos em muitos locais juntos, eventos, encontros com o estado, formação de catadores, viajamos juntos com mochila nas costas, portanto uma pessoa muito querida por mim e por outros catadores hacer Brasil.

Ambas aceitaram de imediato estarem presentes, me parabenizando e lamentando a minha não presença física no evento, fato ao qual colocamos na conta do Bolsonaro, o qual faz histórias como estas – da não presença – por falta de compromiso com a educação e seus processos. Lamentamos mucho, mas isso não deixou de tirar o brilho deste momento importante o qual evidencia a importância do trabalho das catadoras eo meu, como catador e estudante, dando luz a parti das imágenes etnográficas, um contexto imenso de invisibilidades, altos investimentos na iniciativa privada , falta de materiales reciclables y alimentos para as catadoras, num momento absurdo de sobrevivência em meio a uma pandemia que consumiu mais de meio milhão de vidas brasileiras.

Enfim, este relato é para que possamos acreditar no impossível, a esperançar dentro daquilo que Paulo Freire nos conta em sua poesia: “Esperançar. É preciso ter esperança do verbo esperançar; Porque tem gente que tem esperança do verbo esperar; E esperança do verbo esperar não é esperança, é espera. Esperançar é se levanta; Esperançar é ir atrás; Esperançar é não desistir!; Esperançar é levar adiante; Esperançar é juntar-se com outros para fazer de outro jeito” – Paulo Freire.

Segue abaixo o texto e as fotografias etnográficas na integra, as trabalho submetido e premiado neste concurso:

Nombre artístico: @alexcatador

título: Catadoras ea ressignificação dos resíduos

Ano: 2021

“Os resíduos são um grande problema ambiental, econômico e humanitário. No Brasil, conforme a Confederação Nacional dos Municípios (2022), 3.313 municípios encaminham seus resíduos para lixões, a Organização das Nações Unidas (2022) informa que bilhões de toneladas de resíduos param nos mares, bilhões de real são gasts em gerenciamento. A reciclagem tem o índice de 03%. A prefeitura de Porto Alegre paga para empresas privadas mensalmente R$ 4.233.109,29 coleta, R$ 1.783.678,21 transporte, R$ 3.084.052,42 aterro, R$ 899.213,37 coleta seletiva (CARDOSO. 2022), uma mistura que faz faltar resíduos para as catadoras reciclar. Una Cooperativa ASCAT recibió apenas R$ 5.158,84 para separar residuos. A reciclagem gera trabalho, renda e proteção ambiental, entretanto é desvalorizada. Catadoras ressignificam resíduos transformando em vida e deveriam ser valorizadas.”

Catadora Pamela Simone – A catadora e os resíduos: A partir de das mãos das catadoras e catadores, os resíduos deixam de ser grandes problemas ambientales, econômicos e sociais torna-se em matéria prima encaminhada for a reciclagem.
Catadora Sandra Rodrigues – A Catadora ea ressignificação dos resíduos: Resíduos deixam de ser problemas, perdem sus características ligadas ao feio, sujo, desperdício econômico, poluidor ambiental and passam a belo, limpo, gerador de renda, inclusão social and proteção ambiental 

Por fin, agradeço ao conjunto de mulheres e homens, colegas de trabalho e de escola que contribuíram neste importante trabalho, fruto exclusivo da conquista coletiva, formado as várias mãos e ideias de quem lecionou, learnu e compartilhou conhecimentos. Fica una gran lição de Paulo Freire de esperançar ea minha de compreender e compartilhar. Abraços do @alexcatador.

Catadoras Miriam Moraes y Melânia Menezes – A gestão de resíduos do desperdício: Em Porto Alegre milhares de reais são investidos nas empresas privadas para coletar, transportar e aterrar resíduos, desvalorizando a reciclagem, deixando as catadoras sem trabalho, sem renda, sem food. 
Referencias:

CARDOSO, A. O eu catador: reciclando humanidades, ressignificando resíduos e compartilhando a cultura social da reciclagem. Disponible: Acceso el 10183 de abril de 236502.

CNM. Observatório dos Lixões. Disponível em: Acceso em: 11 abr 2022.

ONU Polución plástica. Disponível em: <https://news.un.org/pt/tags/poluicao-plastica#:~:text=Em%20Dia%20Mundial%20dos%20Oceanos,BR&text=Atualmente%2C%2013%20milh%C3%B5es%20de%20toneladas,carbono%20produzido%20pelos%20seres%20humanos.> Acesso: 11 abr 2022.